terça-feira, 17 de agosto de 2010

Lexpetrolea - Petróleo, Energia e Regulação (17 de agosto de 2010)

Lexpetrolea - RSS


Brasil está abaixo da média em pagamentos para posições de gerência

Posted: 17 Aug 2010 05:17 AM PDT

As empresas brasileiras pagam em média US$ 72,5 mil anuais aos seus colaboradores em posições de gerência, ligeiramente abaixo da média mundial, de US$ 75 mil. É o que informou a pesquisa realizada pela HAYS. O Brasil está em oitavo lugar, se comparado aos demais países pesquisados.

O levantamento também registrou otimismo entre os colaboradores da indústria de petróleo e gás para os próximos meses. A maioria dos entrevistados (75%) acredita que o mercado vai se recuperar em menos de 12 meses e apenas 15% descreve sua confiança no mercado de trabalho no setor de forma negativa.

A pesquisa apontou que os profissionais que serão mais demandados nos próximos meses pelo mercado de petróleo e gás no Brasil na cadeia de exploração (upstream) são: geólogos, geofísicos, especialistas em perfuração, especialistas em equipamentos e gerentes de projetos. No setor de distribuição (downstream), haverá uma procura crescente por profissionais da área de infraestrutura, visando a construção de refinarias e gasodutos.

No mundo, as regiões que abrirão mais oportunidades, segundo a pesquisa, são: Oriente Médio, África, Ásia, Austrália, Reino Unido e Norte da Europa, Leste Europeu e América do Sul.

Capitalização pode sair em setembro

Posted: 17 Aug 2010 05:01 AM PDT

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, confirmou nesta segunda-feira (16), o lançamento das ações de capitalização da estatal em setembro. Gabrielli disse que a Petrobras precisa da capitalização apenas para cumprir seus investimentos no longo prazo.

Gabrielli admitiu que a P-33 e outras plataformas da estatal têm problemas de conservação, mas garantiu que isso não oferece qualquer risco à segurança operacional nem aos trabalhadores.

Segundo ele, a parada para manutenção é uma operação padrão e que a medida de suspensão de suas operações pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) foi “cautelar e preventiva”.

Petrobras se aproxima de endividamento-limite de 35%

Posted: 17 Aug 2010 04:51 AM PDT

Em meio à turbulência que envolve a interdição da plataforma P-33 pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a Petrobras informou na última sexta-feira que o investimento total no primeiro semestre de 2010 aumentou 17% em comparação com o de mesmo período do ano passado. Segundo dados da empresa, o valor dos aportes entre janeiro e junho alcançou R$ 38,1 bilhões.

Ao mesmo tempo em que a empresa investe, o endividamento bruto sobe. Com uma geração de caixa de R$ 31 bilhões, o diretor Financeiro e de Relações com Investidores da companhia, Almir Barbassa, reportou que a Petrobras está próxima ao limite estabelecido pelos acionistas. No mês de junho, a dívida atingiu R$ 118,4 bilhões, R$ 10,2 bilhões a mais do que no fechamento do trimestre anterior. O nível de alavancagem (relação entre dívida e patrimônio) está em 34%; o nível máximo de endividamento é de 35% em relação ao patrimônio.

Em junho, a companhia apresentou o Plano de Negócios para o período 2010-2014, no qual a estatal apontava para investimento de US$ 224 bilhões, média de quase US$ 45 bilhões, cerca de R$ 79,65 bilhões à cotação do dólar a R$ 1,77. Dessa forma, no primeiro semestre a companhia aplicou 48% do programado para o ano.

Apesar dessa proximidade, Barbassa afirmou que não teme perder o grau de investimento. Além disso, essa estrutura de capital demonstra a urgência do processo de capitalização da companhia, que deve terminar em setembro.

Esta situação delicada não desanimou o executivo, que preferiu comemorar o desempenho da companhia. Ele afirmou que esse movimento da estatal está em linha com as promessas de maior investimento. “Nós estamos crescendo, fazendo mais exploração e descobrindo mais petróleo. Além disso, estamos desenvolvendo os campos descobertos, o que proporciona a ampliação da produção da companhia no futuro.”

Dentre esses aportes em desenvolvimento de campo, Barbassa citou o segundo teste-piloto do Campo de Tupi, o contrato de aquisição de cuja plataforma foi assinado e que deverá entrar em operação em cerca de 34 meses.

É neste campo que a Petrobras já desenvolve o primeiro teste-piloto do pré-sal com a plataforma Cidade de São Vicente. Os investimentos diretos e indiretos (aqueles realizados por empresas em que a estatal possui participação) na área de Exploração & Produção de óleo e gás somaram R$ 18,304 bilhões, ou 48% do total. Em seguida veio a área de Abastecimento, com R$ 14,1 bilhões, ou 37%. A diretoria de Gás e Energia ficou com R$ 3,804 bilhões. Em Distribuição foram investidos R$ 285 milhões, e R$ 1,548 bilhão foi aportado no Corporativo.

Resultados
Apesar da alta expressiva dos investimentos, o lucro líquido da petrolífera no segundo trimestre permaneceu próximo do do mesmo período do ano passado. Entre maio e junho a estatal ganhou R$ 8,295 bilhões, crescimento de 1,65% em relação aos R$ 8,160 bilhões apurados em igual intervalo de 2009. Nesse período de comparação, a geração de caixa medida pelo Ebitda (resultado antes de impostos, juros, depreciação e amortização) totalizou R$ 15,927 bilhões, queda de 9,5%. A receita líquida da estatal somou R$ 53,631 bilhões, perfazendo um crescimento de 20,2%, impulsionado pelo preço do barril mais elevado nesse período.

Na base de comparação semestral, a estatal reportou crescimento de 11% do lucro líquido do primeiro semestre de 2010, ante 2009: passou de R$ 14,451 bilhões para R$ 16,021 bilhões. Nesse período, a geração de caixa medida pelo Ebitda ficou estável, em R$ 31,003 bilhões; já a receita líquida somou R$ 104,043 bilhões, aumento de 19%.

O custo operacional da empresa para extração de petróleo ficou em R$ 17,54 no segundo trimestre deste ano. Comparado com o dos primeiros três meses de 2010, o valor ficou estável.

Interdição
A Petrobras informou que soube da interdição da P-33 pela imprensa e que não havia sido notificada pela ANP. A empresa rebateu a afirmação de que a segurança a bordo da plataforma não estaria adequada. Segundo a estatal, a análise de riscos da unidade de produção foi atualizada em 2007 e, seguindo as melhores práticas internacionais, essa análise sofre revisão a cada 5 anos, portanto estaria válida até 2012. Ainda na sexta-feira, a estatal informou que iria antecipar a parada programada da P-33, originalmente programada para outubro, para fazer trabalho de manutenção que deverá durar 25 dias.

Fonte: DCI/MAURÍCIO GODOI

CREA lança diagnóstico sobre infraestrutura e logística no Paraná

Posted: 17 Aug 2010 04:13 AM PDT

Um diagnóstico completo da infraestrutura e logística no Paraná foi lançado ontem (16), em Curitiba. É o Plano Estadual de Logística e Transporte para o Estado do Paraná (PELT 2020), desenvolvido pelo Conselho Regional de Arquitetura, Engenharia e Agronomia do Paraná (CREA-PR), em parceria com o Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado do Paraná (Sicepot – PR) e Instituto de Engenharia do Paraná (IEP).

O PELT 2020 é um diagnóstico da infraestrutura e logística no Paraná nos setores de rodovias, ferrovias, portos e rios navegáveis, aeroportos e regiões metropolitanas, cujo planejamento deve buscar ações imediatas para solucionar as deficiências no transporte pensando no ano de 2020.

Entre as principais demandas do Estado estariam uma nova ligação ferroviária entre Guarapuava e Paranaguá, as duplicações rodoviárias entre Ponta Grossa e Apucarana, entre Medianeira e Cascavel e entre Cascavel e São Luís do Purunã, a implantação de infraestrutura viária para a expansão das atividades nos portos paranaenses, e a ampliação de pistas nos aeroportos Afonso Pena na Região Metropolitana, José Richa em Londrina e Sílvio Name Junior, em Maringá.

A coordenadoria técnica do trabalho ficou a cargo do secretário dos Transportes e presidente do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Transportes, engenheiro civil Mario Cesar Stamm Júnior. “O setor de transportes é fundamental para a busca do desenvolvimento econômico que, por sua vez, trará o definitivo bem estar social”, diz. “A integração com entidades que contam com profissionais com expertise em produção, circulação de produtos e obras dá à sociedade o aval técnico para os projetos necessários e os dirigentes públicos e privados cumprirão o papel de agentes indutores do desenvolvimento”.

Segundo o presidente do CREA-PR, o engenheiro agrônomo Álvaro Cabrini Jr, o PELT 2020 apresenta uma visão sistêmica, avaliando o que está proposto hoje na área de infraestrutura com um olhar voltado ao futuro. “Este completo levantamento efetuado com metodologia traz um panorama dos gargalos que o Estado possui nesta área e investimentos necessários pensando no Paraná de 2020”, resume.

Fonte: Paranashop

Petrobras procura parcerias em Santa Catarina

Posted: 17 Aug 2010 03:56 AM PDT

Empresários da região de Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina, vão se reunir para debater o mercado e conhecer as oportunidades de negócios relacionados ao petróleo e ao gás. A Equipaindustria Itajaí pretende servir de vitrine nesse segmento e em áreas como petroquímica, química, construção naval, siderurgia, metal-mecânica, portos e meio ambiente.

A principal patrocinadora e expositora do evento é a Petrobras. A estatal conta com uma Unidade de Operações de Exploração e Produção na cidade e cinco unidades de compras estarão presentes no evento. As empresas receberão orientação para o processo de cadastramento para fornecimento à Petrobras.

Nos quatro dias, a expectativa da organização é receber mais de 5 mil visitantes no Centreventos Itajaí, das 14h às 21h. Além das exposições, haverá seminário de palestras e uma rodada de negócios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário