terça-feira, 18 de maio de 2010

Capitalism.org (Magazine): "Justice for Goldman Sachs" (by Harry Binswanger - 10 May 2010)

Obs.: O texto é uma opinião clara! Não vincula a posição do proprietário do blog.

Fonte (Capitalism.org - Capitalism Magazine): http://www.capitalismmagazine.com/politics/lobbying/5983-Justice-for-Goldman-Sachs.html

Justice for Goldman Sachs

10 May 2010

by Harry Binswanger

Our outrage should be directed at government intervention, and the philosophy that generates it, not at the businesses coping with the consequences.

Yet another injustice towards Goldman Sachs is circulating on the web. It's the publication of the fact that Goldman Sachs has financially supported Democrats over Republicans.

The implicit or explicit conclusion is that Goldman is buying pull. Some bloggers have said that the firm is known as "Government Sachs."

This is total context-dropping. The facts omitted from consideration are:

1. The universities from which the heads of big business graduate, and the intellectual climate in which they were raised, are heavily Democratic. When I say "heavily," I understate it. The Ivy League colleges during the time when these leaders were attending (60s and 70s) were over 90% Democratic, and pro-capitalist viewpoints wereunknown. It is amazing that any of the top executives today are not leftists. The more typical case is that of Warren Buffet, Bill Gates, and George Soros. There's no evidence that Goldman's culture is more leftist or pro-Democratic than the average.

2. Businesses have to contribute to political parties to buy protection. At least they think they do.

Even [Hank] Rearden [a character in Ayn Rand's novel Atlas Shrugged] thought so:

"Rearden disliked the subject. He knew that it was necessary to have a man to protect him from the legislature; all industrialists had to employ such men."

Accordingly, business contributions tend to flow to whichever party is expected to win. When ideology (Democratic) lines up with who's expected to hold the whip hand (in 2008, the Democrats) businesses give more to Democrats.

Take Microsoft. The site opensecrets.com has a chart claiming that for the 2008 elections, when Democrats were (correctly) expected to win both the presidency and control of Congress, Microsoft funded Democrats 73% and Republicans 27%. For the upcoming 2010 elections, when Republicans are expected to take back some or all Democratic gains, Microsoft's funding is directed 59% to Democrats and 41% to Republicans, according to this site.

Interestingly for the 2000 and 2002 elections, Microsoft, the site claims, gave slightly more to Republicans over Democrats. Clearly, they are supporting whomever they think will win and thus have power over them.

What about the larger financial industry, of which Goldman is a part? The Washington Postreported this in February, in regard to the 2010 election (Republican gains expected):

Wall Street Shifting political contributions to Republicans

Commercial banks and high-flying investment firms have shifted their political contributions toward Republicans in recent months amid harsh rhetoric from Democrats about fat bank profits, generous bonuses and stingy lending policies on Wall Street. The wealthy securities and investment industry, for example, went from giving 2 to 1 to Democrats at the start of 2009 to providing almost half of its donations to Republicans by the end of the year, according to new data compiled for The Washington Post by the Center for Responsive Politics.

Notice that the average securities firm gave 2 to 1 in favor of Democrats as Obama took office.

Keep in mind the overall situation. By the nature of a mixed economy, government has favors to dispense and penalties to impose. That intervention is thefundamental fact driving firms' contributions and lobbying activities. The guilt is on the government, not the businesses. Even when a business lobbies for favors (as opposed to preventing penalties), the primary thing to criticize is not business favor-seeking but the government's having favors to bestow. Yes, secondarily, you can criticize the businesses, but the set-up is not their fault, and they could argue that they are being penalized in various other ways, so in seeking favors, they are still being only defensive on net balance.

The left counts on you taking the bait and directing your outrage toward the businesses, deflecting moral blame from the government intervention that creates the system. It's the same blame-capitalism tactic we saw when mortgage-lenders were blamed as "predatory"-- for using the phony credit injected into them by the Fed.

A related charge against Goldman concerns the large number of ex-CEOs who have gone into government. John Corzine (liberal Democrat), Robert Rubin (Democrat), and Hank Paulson (Republican) are prominent examples. The notion is that once former Goldman CEOs get into positions of power, they distort their political decisions to favor their former firm and personal friends. But this is a very naive view of how people on this level of knowledge and expertise function. People like Corzine, Rubin, and Paulson are not country "good ol' boys" operating in some local venue, making backroom deals. Plus, they are well aware that being on a national stage, in the constant glare of media publicity, their every move will be looked at from just this perspective--are they placing personal ties above "the public interest"?

Such people, from both their education and their experience in running large businesses, know that shady dealings don't pay. They are guided not by their personal ties but by their view of what is "in the public interest" and what is "smart politics." And that view is produced by their philosophy. That philosophy is the same as that of everyone else in their subculture: it is pragmatist and left of center.

Our outrage should be directed at government intervention, and the philosophy that generates it, not at the businesses coping with the consequences. Most of all that applies to Goldman Sachs, which, because of its virtues not its flaws, was a year ago targeted by the leftist establishment as "a vampire squid wrapping itself around the face of humanity."

Here are a few of the comments, 90% of which were of this same revolting nature, on Salon following the announcement of the SEC case against Goldman:

Has to be the tip of the iceberg [...] This can't be an isolated incident, no way. When you consider how much effort Goldman staff probably went through to keep this illegal activity hidden, but still got caught? They must do this stuff all the time. . . .Long live Bernie Madoff!Thanks for showing us how wall street works.

***

Perhaps I'm too cynical, but we have seen it too often. There are very powerful and rich people with ties to GS and US politicians who will influence the process. They may have to transfer a few millions to their lawyers, but those costs will be in the tenths or hundredths of a percentage point of their immorally accumulated wealth, and will simply be a small cost of doing business for them.

***

What? Goldman is morally corrupt? So basically Goldman knew these securities were crap but created a "failure hedge" for this guy Paulson who took out insurance against the fund and then Goldman sold these securities to customers? Well duh, if you let the fox guard the hen house the fox will f*** all the hens and then eat them. I hope the regulation hammer is brought out and every one involved gets hammered big time, hard time like Mr. Madoff.

***

If I pulled a scam on some senior citizen and swindled them out of a few thousand dollars, I could end up in jail. If I had the resources and connections to pull a scam on millions of senior citizens and other people, I'd probably have friends -- or at least allies -- in the SEC, in the DOJ, with the WSJ or NYT, etc. So I might end up in jail, but it'd be a hell of a lot less likely. As a side note, if most of the public anger hadn't been so smoothly diverted, I wonder how many members of the vampire squid would be dead by now.

***

My bar's set pretty high. The only "justice" that I'd actually be HAPPY to see would be a full government seizure of all GS assets.

***

These absolute creeps need to go to prison for the rest of their lives. Let them contemplate in that small space the vast implications of their crimes. Let them ponder the real implications and long term consequences of manipulating the elderly out of their pensions, of ruining small business, of foreclosing so many homes that infrastructure, itself, is collapsing, and let them spend a lifetime thinking about how their insatiable greed has maneuvered families into homeless shelters and poverty.

***

Le Guillotine...Le Guillotine !

These comments capture what's really going on now. It's the lust to destroy, the lust generated by altruism's hatred of life.

-//-

Texto Traduzido (não corresponde ao original - meramente sugestivo)

Justiça para o Goldman Sachs

10 de maio de 2010

por Binswanger Harry

Nossa indignação deve ser dirigida para a intervenção do governo, e para filosofia que o gera, não para as empresas lidarem com as conseqüências.

Contudo uma outra injustiça ao Goldman Sachs está circulando na web. É a publicação do fato de que o Goldman Sachs tem apoiado financeiramente democratas em detrimento dos republicanos.

A conclusão implícita ou explícita é que o Goldman está comprando (nota: pelas notícias - apoio político). Alguns blogueiros disseram que a empresa é conhecida como "Government Sachs."

Trata-se de total abandono de contexto. Os fatos omitidos da análise são:

1. As universidades a partir dos chefes de grandes empresas de pós-graduação, o clima intelectual em que foram levantadas, estão fortemente democrata. Quando eu digo "muito", eu subestimei isso. As faculdades da Ivy League, durante o tempo em que esses líderes estavam a frequentando (60 e 70) foram mais de 90% democratas, e os pontos de vista pró-capitalistas eram desconhecidos. É surpreendente que nenhum dos principais executivos de hoje não são esquerdistas. O caso mais típico é o de Warren Buffet, Bill Gates e George Soros. Não há nenhuma evidência de que a cultura Goldman é mais de esquerda ou pró-democracia do que a média.

2. As empresas têm de contribuir para os partidos políticos para comprar proteção. Pelo menos eles pensam que fazem.

Mesmo [Hank] Rearden [a personagem do romance de Ayn Rand Atlas Shrugged] pensou assim:

"Rearden não gostou do assunto. Ele sabia que era necessário ter um homem para protegê-lo, o legislador, todos os empresários tiveram que empregar esses homens".

Assim, as contribuições de negócios tendem a fluir para a festa o que se espera de ganhar. Quando a ideologia (democratas) segui linhas com a que se espera para segurar a mão chicote (em 2008, os democratas), as empresas dão mais aos democratas.

Take Microsoft. o opensecrets.com site que tem uma carta afirmando que, para as eleições de 2008, quando os democratas estavam (corretamente) esperando para vencer tanto na presidência e no controle do Congresso, a Microsoft financiou 73% dos Democratas e 27% dos Republicanos. Para as próximas eleições de 2010, quando os Republicanos são esperados para ter de volta alguns ou todos os ganhos Democráticos, o financiamento da Microsoft é dirigida aos 59% dos Democratas e 41% dos Republicanos, de acordo com este site.

É interessante que, para as eleições de 2000 e 2002, a Microsoft, o site afirma, deu um pouco mais para os Republicanos em comparação aos Democratas. Claramente, eles estão a apoiar quem eles acham que vai ganhar e, portanto, têm poder sobre eles.

E sobre a maior indústria financeira, de que Goldman é uma parte? The Washington Post relatou isso em fevereiro, em relação à eleição de 2010 (ganhos republicano esperados):

Wall Street Shifting contribuições políticas para os republicanos

Os bancos comerciais e empresas de investimento bem-sucedidas mudaram suas contribuições para políticos republicanos nos últimos meses em meio a dura retórica dos democratas sobre os lucros do banco de gordura, bônus generosos e políticas de crédito mesquinho em Wall Street. Os títulos ricos e na indústria de investimento, por exemplo, passou de dar 2-1 para os democratas no início de 2009 para fornecer quase a metade de suas doações para os republicanos, até o final do ano, de acordo com novos dados compilados para o Washington Post, pela Center for Responsive Politics.

Observe que, (Sic) as empresa com valores médios deu 2-1 em favor aos democratas Obama tome posse.

Tenha em mente a situação global. Pela (nota: própria) natureza de uma economia mista, o governo tem favores a dispensar e sanções a impor. Essa intervenção é fundamental ao fato da condução das contribuições das empresas e atividades de lobby. A culpa é do governo, e não das empresas. Mesmo quando uma lobbies empresariais de favores (em oposição a impedir sanções), a primeira coisa a criticar não é um negócio de buscar favor, mas está tendo favorece o governo a conceder. Sim, secundariamente, pode criticar as empresas, mas o set-up não é culpa deles, e eles poderiam argumentar que eles estão a ser penalizados de várias outras formas, então, em busca de favores, eles ainda estão apenas no saldo líquido de defesa.

As contagens deixou em você tomar a isca e dirigir sua indignação para com as empresas, desviando a culpa moral a partir da intervenção do governo que cria o sistema. É a mesma tática culpar o capitalismo, que vimos quando os credores hipotecários foram acusados como "predadores" - para usar o crédito falso injetado pelo Fed-los.

A acusação contra Goldman preocupações relacionadas com o grande número de ex-presidentes que passaram para o governo. John Corzine (liberal democrata), Robert Rubin (democrata) e Hank Paulson (Republicano) são exemplos proeminentes. A idéia é que uma vez ex-Goldman CEOs entrar em posições de poder, eles distorcem suas decisões políticas a favor de sua empresa anterior e amigos pessoais. Mas esta é uma visão muito ingênua de como as pessoas nesse nível de conhecimentos e competências da função. As pessoas gostam de meninos Corzine, Rubin, e Paulson não estão ol país "bom" funcionamento em algum local local, fazendo acordos de bastidores. Além disso, eles estão bem conscientes de que estar em uma fase nacional, no brilho constante da mídia, todos os seus movimentos serão analisados a partir de apenas esta perspectiva - estão colocando vínculos pessoais "acima do interesse público"?

Tais pessoas, de ambos educação dos seus e da sua experiência na gestão de grandes empresas, sabe que negócios escusos não pagam. Eles não são guiados por seus vínculos pessoais, mas por sua visão do que é "interesse público" eo que é "a política inteligente." E essa opinião é produzido por sua filosofia. Essa filosofia é a mesma que a de qualquer outra pessoa na sua subcultura: é pragmático e à esquerda do centro.

Nossa indignação deve ser dirigida para a intervenção do governo, e para a filosofia que o gera, não às empresas lidarem com as conseqüências. Acima de tudo o que se aplica ao Goldman Sachs, que, por causa de suas virtudes, não os seus defeitos, era um ano atrás visado pelo estabelecimento de esquerda como "um vampiro envolvendo-se em torno do rosto da humanidade".

Aqui estão alguns dos comentários, dos quais 90% eram dessa natureza revoltante mesmo, no Salon após o anúncio do processo contra SEC Goldman:

Tem de ser a ponta do iceberg [...] Isto não pode ser um incidente isolado, de maneira nenhuma. Quando você considera como muito esforço pessoal Goldman provavelmente passou por manter essa atividade ilegal escondida, mas foi pego? Eles devem fazer essas coisas o tempo todo. . . . Viva Graças Bernie Madoff! Para nos mostrar como funciona Wall Street.

***

Talvez eu seja cínico demais, mas nós temos visto com muita frequência. Há pessoas muito poderosas e ricas com os laços de GS (nota: Goldman Sachs) e políticos E.U. que irão influenciar o processo. Eles podem ter a transferência de alguns milhões aos seus advogados, mas os custos serão em décimos ou centésimos de ponto percentual de sua riqueza acumulada imoral, e será apenas um pequeno custo de fazer negócio para eles.

***

O quê? Goldman é moralmente corrupto? Então, basicamente Goldman sabia que esses títulos eram crap, mas criou um hedge "fracasso" por esse cara Paulson, que tirou o seguro contra o fundo e, em seguida, Goldman venderam estes títulos para os clientes? Bem, duh, se você deixar a raposa guarda do galinheiro a raposa vai f *** todas as galinhas e depois comê-los. Espero que o regulamento martelo é levado para fora e todos os envolvidos se martelou o tempo grande, o tempo duro como o Sr. Madoff.

***

Se eu puxei um embuste em alguns idosos e enganado-los de alguns milhares de dólares, eu poderia acabar na prisão. Se eu tivesse os recursos e ligações para puxar um golpe em milhões de idosos e outras pessoas, eu provavelmente tenho amigos - ou pelo menos aliados - na SEC, no DOJ, com o WSJ e NYT, etc Então, eu poderia acabar na prisão, mas seria um inferno de muito menos provável. Como uma nota lateral, se a maioria da raiva do público não foi tão bem desviado, pergunto-me quantos membros da lula vampiro estaria morto agora.

***

Meu bar é ajustado muito alto. A justiça "apenas" que eu realmente o prazer de ver seria um governo cheio de apreensão de todos os activos GS.

***

Estes velhacos absoluta necessidade de ir para a prisão para o resto de suas vidas. Deixá-los contemplar nesse pequeno espaço de vastas implicações de seus crimes. Deixe-os refletir sobre as reais implicações e consequências a longo prazo de manipular os idosos fora das suas pensões, de arruinar pequenas empresas, de exclusão das tantas casas que infra-estrutura, em si, está desmoronando, e deixá-los passar a vida pensando em como sua ganância insaciável tem famílias manobrado em abrigos ea pobreza.

***

Le Le Guilhotina Guilhotina ...!

Estes comentários captar o que realmente está acontecendo agora. É o desejo de destruir, a luxúria gerada pelo ódio altruísmo de vida.

STJ: Republicação: Leading Case: "Exceção de pré-executividade pode ser utilizada para reconhecer prescrição de título." (Resp 570238)


Fonte (STJ): 
http://www.stj.gov.br/portal_stj/publicacao/engine.wsp?tmp.area=398&tmp.texto=96970
Exceção de pré-executividade pode ser utilizada para reconhecer prescrição de título
É possível a utilização de exceção de pré-executividade para se reconhecer a prescrição de título executivo, desde que não demande dilação probatória. Com base nessa recente jurisprudência firmada pelo Superior Tribunal de Justiça, a Quarta Turma do STJ determinou que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro reaprecie uma ação de execução movida pelo Banco Mercantil do Brasil S/A contra a empresa Peixe S/A.

Em exceção de pré-executividade, a Peixe argumentou que, além de ser meramente avalista do título, a ação cambial prescreve em três anos, a contar do seu vencimento. Alegou ainda que a referida nota promissória foi emitida em 28 de janeiro de 1994, com vencimento para 30 dias, e que, por inércia do banco, a empresa só foi citada em 27 de julho de 2000.
O Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Rio de Janeiro rejeitou o recurso por entender que a exceção de pré-executividade não é o meio idôneo para se discutir prescrição de título executivo. A empresa recorreu ao STJ, apontando divergência jurisprudencial quanto à possibilidade de sua utilização.

Segundo o relator, ministro Aldir Passarinho Junior, a gama de matérias que podem ser levantadas por meio da exceção tem sido ampliada por força da interpretação jurisprudencial mais recente que admite a arguição de prescrição do título, desde que não demande dilação probatória.

“Assim, tem-se que a exceção de pré-executividade constitui instrumento de que dispõe o executado sempre que pretenda infirmar a certeza, a liquidez ou a exigibilidade do título através de inequívoca prova documental, e cuja propositura independe de prévia segurança do juízo”, ressaltou em seu voto.

Até então, a doutrina só admitia a utilização da exceção de pré-executividade em relação às matérias de ordem pública envolvendo questão de viabilidade da execução – liquidez e exigibilidade do título, condições de ação e pressupostos processuais.

Para o ministro, no caso em questão o tribunal rejeitou a utilização da exceção para o reconhecimento da prescrição sem sequer adentrar no exame de eventual necessidade de dilação probatória. Assim, por unanimidade, a Turma acolheu o recurso e determinou o retorno dos autos à instância ordinária para que a exceção de pré-executividade seja apreciada.



Superior Tribunal de Justiça
Revista Eletrônica de Jurisprudência
Imprimir


RECURSO ESPECIAL Nº 570.238 - SP (2003⁄0129413-6)
RELATOR:MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR
RECORRENTE:PEIXE S⁄A
ADVOGADO:MARCELLO AUGUSTO LAZZARINI E OUTRO(S)
RECORRIDO:BANCO MERCANTIL DO BRASIL S⁄A
ADVOGADO:MARCO ANTONIO MARQUES CARDOSO
EMENTA
PROCESSUAL CIVIL. EXECUÇÃO. TÍTULO EXTRAJUDICIAL. ARGÜIÇÃO DE PRESCRIÇÃO. EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. POSSIBILIDADE. PRECEDENTES.
I. É possível em exceção de pré-executividade a argüição de prescrição do título executivo, desde que desnecessária dilação probatória. Precedentes.
II. Recurso conhecido e provido.

ACÓRDÃO

Vistos e relatados estes autos, em que são partes as acima indicadas, decide a Quarta Turma, por unanimidade, conhecer do recurso especial e dar-lhe provimento, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros João Otávio de Noronha, Luis Felipe Salomão e Honildo Amaral de Mello Castro (Desembargador convocado do TJ⁄AP) votaram com o Sr. Ministro Relator.
Brasília (DF), 20 de abril de 2010(Data do Julgamento)



MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR
Relator



CERTIDÃO DE JULGAMENTO
QUARTA TURMA
Número Registro: 2003⁄0129413-6REsp 570238 ⁄ SP

Números Origem: 10221257 200200623056

PAUTA: 13⁄04⁄2010JULGADO: 13⁄04⁄2010
Relator
Exmo. Sr. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR

Presidente da Sessão
Exmo. Sr. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA

Subprocurador-Geral da República
Exmo. Sr. Dr. ANTÔNIO CARLOS PESSOA LINS

Secretária
Bela. TERESA HELENA DA ROCHA BASEVI

AUTUAÇÃO

RECORRENTE:PEIXE S⁄A
ADVOGADO:MARCELLO AUGUSTO LAZZARINI E OUTRO(S)
RECORRIDO:BANCO MERCANTIL DO BRASIL S⁄A
ADVOGADO:MARCO ANTONIO MARQUES CARDOSO

ASSUNTO: DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO

CERTIDÃO

Certifico que a egrégia QUARTA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:

Adiado por indicação do Sr. Ministro Relator.

Brasília, 13 de abril de 2010



TERESA HELENA DA ROCHA BASEVI
Secretária


RECURSO ESPECIAL Nº 570.238 - SP (2003⁄0129413-6)

RELATÓRIO


O EXMO. SR. MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR: Adoto o relatório de fl. 67, verbis:

"Trata-se de tempestivo agravo de instrumento tirado nos autos da ação de execução por título extrajudicial que é movida pela instituição financeira em face da empresa Peixe S⁄A.
Inconforma-se a empresa com a r. decisão reproduzida a fls. 11, que indeferiu a exceção de pré-executividade, calcada na alegação de prescrição do título executivo.
Aduz que é meramente avalista e que a ação cambial prescreve em três anos a contar do vencimento do título, tendo a nota promissória em tela sido emitida em 28.01.1994 e vencida em 28.02.1994. Diz que por inércia do banco só veio ser citada em 27.07.2000. Afirma que o lapso prescricional somente foiinterrompido em relação à devedora principal. Entende que não há necessidade de se postergar a discussão da matéria para os embargos em respeito ao princípio da economia processual. Pede que seja conhecida e julgada a exceção de pré-executividade.
Presentes a contrariedade e as informações."

O Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo, entendendo que a exceção de pré-executividade não é o meio idôneo para se discutir prescrição de título executivo, negou provimento ao recurso do empresa agravante, em acórdão assim ementado (fl. 67):

"Execução - Título extrajudicial - Exceção de pré-executividade - Admissão em casos especialíssimos, quando evidente a falta de elementos essenciais caracterizadores do título executivo, o que inocorre na espécie - Decisão correta - Recurso improvido."


Inconformada, Peixe S⁄A interpõe recurso especial apontando divergência jurisprudencial com acórdão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região que admitiu a utilização de Exceção de Pré-Executividade para se reconhecer a prescrição de título executivo.

Contrarrazões ao recurso às fls. 116⁄120 pugnando pela incidência do enunciado n. 207 da Súmula do STJ, em razão da recorrente não ter oposto embargos infringentes e aduzindo que o dissídio jurisprudencial não foi demonstrado nos rigores exigidos pelo art. 541 do CPC.

Inicialmente inadmitido pela decisão presidencial de fl. 122, o recurso especial subiu ao exame desta Corte por força do provimento dado ao agravo de instrumento n. 453.225⁄SP.

É o relatório.
RECURSO ESPECIAL Nº 570.238 - SP (2003⁄0129413-6)


VOTO


O EXMO. SR. MINISTRO ALDIR PASSARINHO JUNIOR (RELATOR): Como visto do relatório, trata-se de recurso especial interposto pela letra “c” do permissivo constitucional, em que se aponta divergência jurisprudencial no tocante à possibilidade de utilização de exceção de pré-executividade para se reconhecer a prescrição de título executivo.

Presente os pressupostos constitucionais, passo a análise da questão processual levantada.

Inicialmente anoto não ser o caso de aplicação do verbete nº 207 da Súmula do STJ, porque, inobstante o julgamento tenha se dado por maioria, o caso presente refere-se a recurso especial interposto nos autos de agravo de instrumento.

No que concerne à admissão da exceção de pré-executividade, tem a doutrina entendido que sua utilização opera-se quanto às matérias de ordem pública, apreciadas de ofício pelo juiz que versem sobre questão de viabilidade da execução - liquidez e exigibilidade do título, condições da ação e pressupostos processuais.

Contudo, a gama de matérias que podem ser levantadas através da exceção tem sido ampliada por força da exegese jurisprudencial mais recente, admitindo-se, então, a argüição de prescrição do título, desde, lógico, que não demande dilação probatória.

Assim, tem-se que a exceção de pré-executividade constitui instrumento de que dispõe o executado sempre que pretenda infirmar a certeza, a liquidez ou a exigibilidade do título através de inequívoca prova documental, e cuja propositura independe de prévia segurança do juízo.

No caso em comento, o Tribunal a quo, sem sequer adentrar no exame de eventual necessidade de dilação probatória, inadmitiu a utilização da exceção de pré-executividade para reconhecimento da prescrição, aos seguintes argumentos (fls. 67⁄68):

"É certo que a nossa legislação consagra como pressuposto de defesa no processo de execução, os embargos. Porém, a jurisprudência, em situações excepcionais, vem aceitando a dispensa deste pressuposto, com a chamada exceção de pré-executividade. Ela é admitida em casos extremos, quando, já ao primeiro exame, percebe-se no título executivo a falta dos requisitos legais de certeza, liquidez e exigibilidade, sem os quais não se justifica a penhora ou qualquer outro ato de agressão ao patrimôniodo devedor.
Todavia, este tipo de exceção não pode ser usada como substitutivo dos embargos, sob pena de se utilizar esta via para obstar o regular andamento da execução. Cabe apenas nas hipóteses decondições da ação de execução. É impensável por esta via discutir a falsidade de assinatura, o erro de cálculo, e 'in casu' a prescrição do título, que são questões que, a par de não tocarem com as condiçõesda execução, requerem instrução incompatível com a forma proposta."


Tenho, pois, que o aresto atacado contraria a mais recente jurisprudência desta Corte, que vem, como já dito, admitindo o uso da exceção de pré-executividade para o conhecimento de argüição de prescrição, quando desnecessária a dilação probatória para comprovação do alegado.

Neste sentido, confiram-se as ementas dos seguintes julgados:

"ADMINISTRATIVO. MULTA. PRAZO PRESCRICIONAL. PRESCRIÇÃO. ALEGAÇÃO EM EXCEÇÃO DEPRÉ-EXECUTIVIDADE. POSSIBILIDADE.
(...)
2. O critério definidor das matérias que podem ser alegadas em exceção de pré-executividade é o fato de ser desnecessária a dilação probatória, afastando-se a distinção fincada, exclusivamente, napossibilidade de conhecimento de ofício pelo Juiz.
3. Admite-se essa forma excepcional de defesa para acolher exceções materiais, extintivas ou modificativas do direito do exeqüente, desde que comprovadas de plano, sem necessidade de produção de outras provas além daquelas constantes dos autos ou trazidas com a própria exceção.
4. É possível argüir a prescrição por meio de exceção de pré-executividade, desde que desnecessária a dilação probatória. Precedentes.
(...)
7. Recurso especial conhecido em parte e não provido."
(2ª Turma, REsp 1.025.095⁄RJ, Rel. Min. Castro Meira, unânime, DJe de 04.06.2008)
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
"PROCESSO CIVIL. RECURSO ESPECIAL REPRESENTATIVO DE CONTROVÉRSIA. ARTIGO 543-C, DO CPC. EXECUÇÃO FISCAL. EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE. ARGÜIÇÃO DE PRESCRIÇÃO FUNDADA NA INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI ORDINÁRIA (ARTIGO 46, DA LEI 8.212⁄91) QUE AMPLIOU O PRAZO PRESCRICIONAL (SÚMULA VINCULANTE 8⁄STF). POSSIBILIDADE.
1. A exceção de pré-executividade é servil à suscitação de questões que devam ser conhecidas de ofício pelo juiz, como as atinentes à liquidez do título executivo, aos pressupostos processuais e às condições da ação executiva, desde que não demandem dilação probatória (exceção secundum eventus probationis) (REsp 1.110.925⁄SP, Rel. Ministro Teori Albino Zavascki, Primeira Seção, julgado em 22.04.2009, DJe 04.05.2009).
2. O espectro das matérias suscitáveis através da exceção tem sido ampliado por força da exegese jurisprudencial mais recente, admitindo-se a argüição de prescrição e de ilegitimidade passiva doexecutado, que prescindam de dilação probatória.
(...)
4. Recurso especial provido para determinar o retorno dos autos à instância ordinária para que aprecie a exceção de pré-executividade oposta pelo ora recorrente. Acórdão submetido ao regime do artigo 543-C, do CPC, e da Resolução STJ 08⁄2008."
(1ª Seção, REsp 1.136.144⁄RJ, Rel. Min. Luiz Fux, unânime, DJe de 01.02.2010)
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
"PROCESSO CIVIL - TRIBUTÁRIO - EXECUÇÃO FISCAL - EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE - DECADÊNCIA - PRESCRIÇÃO - DILAÇÃO PROBATÓRIA - SÚMULA 7⁄STJ.
1. É possível que em exceção de pré-executividade seja alegada a ocorrência da prescrição dos créditos discutidos, desde que a matéria tenha sido aventada pela parte, e que não haja a necessidade de dilação probatória.
(...)
3. Agravo regimental não provido."
(2ª Turma, AgRg no Ag 1.164.477⁄SC, Relatora Ministra Eliana Calmon, unânime, DJe 15.12.2009)
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
"DIREITO ADMINISTRATIVO. PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO. SERVIDOR PÚBLICO FEDERAL. EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE.PRESCRIÇÃO. CABIMENTO. AGRAVO IMPROVIDO.
1. Desde que não seja necessária dilação probatória para comprovação do alegado, é possível o conhecimento da argüição de prescrição em exceção de pré-executividade. Precedentes do STJ.
2. Agravo regimental improvido.
(5ª Turma, AgRg no Ag 1.064.065⁄RS, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, unânime, DJe de 17.11.2008)
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
"PROCESSO CIVIL - EXECUÇÃO - EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE - CITAÇÃO EM AÇÃO ANTERIOR EXTINTA SEM JULGAMENTO DO MÉRITO POR INÉRCIA DO AUTOR - INTERRUPÇÃO DA PRESCRIÇÃO – INOCORRÊNCIA –- PRECEDENTES.
1 - A citação realizada em ação ajuizada anteriormente, extinta sem julgamento do mérito, por inércia do autor (art. 267, II e III, do CPC), não tem o condão de interromper a prescrição. Precedentes.
2 - Recurso conhecido e provido para restabelecer a r. sentença de 1º grau."
(4ª Turma, REsp 523.264⁄RS, Rel. Min. Jorge Scartezzini, unânime, DJU de 26.02.2007)


Ante o exposto, conheço do recurso especial e dou-lhe provimento, para determinar o retorno dos autos à instância ordinária para que aprecie a exceção de pré-executividade oposta pelo ora recorrente.

É como voto.



CERTIDÃO DE JULGAMENTO
QUARTA TURMA
Número Registro: 2003⁄0129413-6REsp 570238 ⁄ SP

Números Origem: 10221257 200200623056

PAUTA: 13⁄04⁄2010JULGADO: 20⁄04⁄2010
Relator
Exmo. Sr. Ministro ALDIR PASSARINHO JUNIOR

Presidente da Sessão
Exmo. Sr. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA

Subprocuradora-Geral da República
Exma. Sra. Dra. ANA MARIA GUERRERO GUIMARÃES

Secretária
Bela. TERESA HELENA DA ROCHA BASEVI

AUTUAÇÃO

RECORRENTE:PEIXE S⁄A
ADVOGADO:MARCELLO AUGUSTO LAZZARINI E OUTRO(S)
RECORRIDO:BANCO MERCANTIL DO BRASIL S⁄A
ADVOGADO:MARCO ANTONIO MARQUES CARDOSO

ASSUNTO: DIREITO PROCESSUAL CIVIL E DO TRABALHO

CERTIDÃO

Certifico que a egrégia QUARTA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão:

A Turma, por unanimidade, conheceu do recurso especial e deu-lhe provimento, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator.
Os Srs. Ministros João Otávio de Noronha, Luis Felipe Salomão e Honildo Amaral de Mello Castro (Desembargador convocado do TJ⁄AP) votaram com o Sr. Ministro Relator.

Brasília, 20 de abril de 2010



TERESA HELENA DA ROCHA BASEVI
Secretária


Documento: 961609Inteiro Teor do Acórdão- DJ: 17/05/2010