terça-feira, 3 de julho de 2012

STF: "ADI questiona Programa Mais Polícia do governo do RJ" (ADI 4810)


Notícias STFImprimir
Segunda-feira, 02 de julho de 2012
ADI questiona Programa Mais Polícia do governo do RJ
A Confederação Nacional dos Vigilantes e Profissionais de Segurança (CNTV) apresentou no Supremo Tribunal Federal Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 4810), com pedido de liminar, contra a íntegra do Decreto estadual 43.538/2012, do Rio de Janeiro, que instituiu o regime adicional de serviços para policiais civis e militares, bombeiros e agentes penitenciários do estado (Programa Mais Polícia). A confederação alega que o governador do RJ usurpou a legitimidade legislativa e usou o Executivo para criar gastos públicos sem que a Constituição Federal conceda legitimidade para tanto.
O Programa Mais Polícia estabelece condições para que esses agentes públicos de segurança possam trabalhar nas horas de folga. Para os profissionais da segurança privada, porém, o regime “extrapola a competência de atuação das polícias civis e militares, do corpo de bombeiros e dos agentes penitenciários que são extensão da polícia civil” ao prever a atuação de alguns órgãos da segurança pública na proteção de estabelecimentos públicos e seus bens, situação que consideram “absurda”.
Segundo a confederação, a função da polícia civil “é agir como polícia judiciária, primando pela apuração de infrações penais”. À PM e aos bombeiros “cabem a polícia ostensiva e a preservação da ordem pública”, com o corpo de bombeiros incumbido ainda da execução de atividades de defesa civil.
A entidade afirma que já há notícias de irregularidades, como a substituição de vigilantes que cuidam da segurança das escolas por policiais militares armados. “O estado vem também se utilizando do decreto impugnado para oferecer segurança privada e empresas que lhe prestam serviços”, como a Supervia, concessionária de trens urbanos, e a Light, de energia elétrica.
A regulamentação, para o setor de segurança privada, contraria os artigos 2º; 84, inciso VI, alínea “a”; e 144, parágrafo 5º, todos da Constituição Federal. A entidade pede a concessão de liminar para suspender os efeitos do decreto estadual. No mérito, pede que a norma seja declarada inconstitucional.
A relatora da ADI 4810 é a ministra Cármen Lúcia.
CF/AD

Processos relacionados
ADI 4810
Fonte (STF):  http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=211417&tip=UN
Peças Eletrônicas: http://redir.stf.jus.br/estfvisualizadorpub/jsp/consultarprocessoeletronico/ConsultarProcessoEletronico.jsf?seqobjetoincidente=4265880
Acompanhamento Processual: http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?numero=4810&classe=ADI&origem=AP&recurso=0&tipoJulgamento=M 

Nenhum comentário:

Postar um comentário